16 de fevereiro de 2011

Mapeamento dos hidrantes do centro histórico de Belém-Pa


A cidade de Belém possui construções do ponto de vista arquitetônico que datam períodos de plenitude entre os quais o período áureo da borracha, no início do século XX, quando o município recebeu inúmeras famílias européias, o que veio a influenciar a arquitetura das edificações, ficando conhecida como Paris n’América.

O Centro Histórico de Belém (CHB) é um patrimônio, com prédios centenários, de relevante importância para o cenário histórico nacional. Hoje o centro tradicional encontra-se em processo de decadência e descaracterização, em função de vários fatores como: o uso indevido de letreiros, painéis de propaganda e reformas que retalham os antigos prédios. As vias e calçadas estão com pavimentação comprometida e obstruída pelos agentes do comércio informal. Há um grande congestionamento de veículos, devido o acesso, tanto transporte público como o particular que converge para o centro, causando enormes conflitos entre pedestre e veículos.

No aspecto de segurança, o CHB está exposto a risco de incêndio, em função, de muitos dos antigos prédios possuírem instalações elétricas antigas, carentes de manutenção preventiva ou corretivas. De acordo com o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Pará (CBMPA), a maior causa dos acidentes de incêndio é a baixa qualidade da fiação elétrica das residências. CORRÊA, T. Pânico em Belém: Quatro incêndios em sete dias assuntam a população. Jornal Diário do Pará, Belém do Pará, p. A9, 14 set. 2010.
Figura 3. Localização do centro Histórico de Belém.
                                             Fonte: Adaptado de Guimarães, (2009).

Outro fato que contribui para o risco de incêndio é a estocagem irregular de grande quantidade de fogos de artifícios no interior de lojas. O Corpo de Bombeiros e o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Pará (CREA/PA) fiscalizaram as lojas do centro histórico de Belém e encontraram diversas irregularidades. “Cerca de sete lojas ainda armazenam em seus departamentos fogos e explosivos ao lado de material inflamável. Essa prática perigosa tem grandes chances de resultar em uma tragédia”, seguindo relatos do CREA. CAMPOS, B. Comércio de Fogos: Os Barris de Pólvoras do Centro de Belém. Jornal Diário do Pará, Belém do Pará, p. A13, 03 out. 2010.

Assim, o conjunto desses fatores nos leva a realizar trabalhos com a utilização de técnicas destinada ao gerenciamento, através da coleta, processamento e a análise de informações desse espaço e que ainda possa servir de apoio as ações de planejamento, de gestão ao monitoramente e tomada de decisão.

O hidrante coluna convencional, objeto de estudo, é fabricado em ferro fundido. Este dispositivo está distribuído pelo Centro Histórico e é utilizado no abastecimento das viaturas tanques do Corpo de Bombeiros Militar, durante a ocorrência de incêndio. Com o trabalho de campos foi possível detectar que CHB dispõe de três tipos de hidrantes: Hidrante coluna, coluna de hidrante ou Hidrante tipo “T” e hidrante subterrâneo, (Figura2).

Figura 2. Tipos de hidrantes urbanos do CHB: (a) hidrante coluna, (b) Coluna de hidrante e (c) Hidrante Subterrâneo.
          Foto: Santos, (2010).

Foram relacionados 84 hidrantes na Região Metropolitana de Belém, sendo, 11 localizados na área de estudo (Bairro da Campina e cidade Velha), mas, em um segundo momento a lista foi atualizada para 78 hidrantes da Região Metropolitana e no Centro Histórico de Belém foram localizados 27 hidrantes.

Na Tabela 1, é possível observar a quantidade de hidrantes relacionados e quantidade de hidrantes encontrados através da pesquisa de campo.

                                   Tabela1. Hidrantes Relacionados x Hidrantes encontrados.

Fonte: Elaboração própria.


O CHB conta hoje com 27 hidrantes, sendo que destes 24 são do tipo Hidrante de coluna, 2 do tipo coluna de hidrante e 1 hidrante subterrâneo (Figura 4) . Na Tabela 2 abaixo é possível observar os tipos, as condições dos hidrantes vistoriados e a sua quantidade.


                                             Tabela 2. Tipo de Hidrantes x Situação.
Fonte: Elaboração própria.


Figura 4. Mapa Temático da Distribuição dos hidrantes CHB.
Fonte: Elaboração própria.

Na Figura 8, observa-se um adensamento e sobreposição dos raios de cobertura de 300m no Bairro da Campina. Assim, seria adequado, promover uma melhor otimização dos hidrantes, considerar a possibilidade de remanejá-los para o bairro da Cidade Velha ou redistribuí-los para as avenidas principais do entorno da área de estudo, visto que, as ruas do Centro Histórico de Belém são estreitas, o que dificulta em alguns trechos, o acesso das viaturas do Corpo de Bombeiros, as ações de combate a incêndios, manobras de estabelecimento (estacionamento das viaturas e distribuição organizadas das mangueiras de água) e abastecimento de viaturas.

Figura 8. Mapa da cobertura de 300m dos hidrantes no CHB. Fonte: Elaboração própria.

Os dispositivos hídricos urbanos mais desfavoráveis, segundo a legislação, deverão fornecer uma vazão entre 1000 L/min. a 2000 L/min. Com a coleta de dados sobre a Vazão dos hidrantes do CHB, foi possível determinar que apenas 8 hidrantes atendem satisfatoriamente a Norma Brasileira Regulamentadoras, NBR 12218/94 e a Instrução Técnica, IT, nº34\05. Sendo, 5 hidrantes com vazão mínima no período diurno  e 3 hidrantes com vazão mínima no período noturno, significando que está área não está protegida.

                                            Tabela 4. Vazão L\m x Nº de hidrantes.
                                             Fonte: Elaboração própria.

Figura 9. Mapas da Vazão diurna e noturna dos Hidrantes no CHB.
                                                      Fonte: Elaboração própria.

Os resultados obtidos pela metodologia empregada na pesquisa em análise conduziram à observação de que há uma nítida tendência de risco de incêndio na área delimitada. Da mesma forma, pode-se perceber precária estrutura do sistema de hidrantes urbano no centro Histórico de Belém. Os mapas obtidos demonstraram de maneira singular a viabilidade e aplicabilidade do Sistema de informação geográfica no mapeamento dos hidrantes do CHB.

Por: Leonardo Sousa dos Santos. (Artigo)


Um comentário:

  1. Leonardo, Muito bom esse artigo sobre hidrantes, principalmente sobre o teste de vazão onde mostra a deficiência da estrutura no combate a incêndios.

    Roberto Mendes
    Téc. Geodésia e Cartografia

    ResponderExcluir

Representações Cartográficas

Globo - representação esférica, em escala pequena, dos apectos naturais e artificiais de uma figura planetária, com finalidade ilustrativa.

Mapa - representação plana, em escala pequena, delimitada por acidentes naturais ou políticos-administrativos, destinada a fins temáticos e culturais.

Cartas - representação plana, em escala média ou grande, com desdobramento em folhas articuladas sistematicamente, com limites de folhas constituídos por linhas convencionais, destinada a avaliação de distância e posições detalahadas.

Planta - tipo particular de carta, com área muito limitada e escala grande, com número de detalhes consequentemente maior.

Mosaiso - conjunto de fotos de determinada área, montadas técnica e artisticamente, como se o todo formasse uma só fotografia. Classifica-se como controlado, obtido apartir de fotografia aéreas submetidas a processos em que a imagem resultante corresponde à imagem tonada na foto, não controlado, preparado com o ajuste de detalhes de fotografia adjacentes, sem controle de termo ou correção de fotografia, sem preocupação com a precisão, ou ainda semicontrolado, montado combinando-se as duas características descritas.

Fotocarta - Mosaico controlado, com tratamento cartográfico.

Ortofotocarta - fotografia resultante da transformação de uma foto original, que é um perspectiva central do terreno, em uma projeção ortogonal sobre um plano.

Ortofotomapa - conjunto de várias ortofotocartas adjacentes de uma determinada região.

Fotoíndice - montagem por superposição das fotografias, geralmente em escala reduzida. É a primeira imagem cartográfica da região. É o insumo necessário para controle de qualidade de aerolevantamentos utilizados na produção de cartas de métedo fotogramétrico.

Carta Imagem - imagem referênciada a apartir de pontos identificáveis com coordenadas conhecidas, superposta por reticulado da projeção

Revista Geografia, Conhecimento Prático, n 23, p 54. ed. Escala