19 de janeiro de 2015

2014 FOI O ANO MAIS QUENTE DA HISTÓRIA SEGUNDO A NASA!


O ano de 2014 classificou a Terra como o ano mais quente desde 1880, de acordo com duas análises, a NASA e National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA).

Os cientistas registraram os 10 anos mais quentes através de instrumentos e com exceção de 1998 este fenomeno já ocorreu em 2000. A tendência é continuar o aquecimento no planeta e acordo com uma análise de medições de temperatura de superfície realizada por cientistas do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA (GISS), em Nova York.


A NASA está na vanguarda da investigação científica da dinâmica do clima da Terra em uma escala global", disse John Grunsfeld, administrador associado da Diretoria de Missões Científicas na sede da NASA em Washington e a tendência de aquecimento de longo prazo reforça a importância da NASA para estudar a Terra como um sistema completo, e, particularmente, para compreender o papel e os impactos da atividade humana."

Desde 1880, a temperatura média da superfície da Terra aqueceu cerca de 1,4 graus Fahrenheit (0,8 graus Celsius), e este aumento está em grande parte impulsionado pelo aumento do dióxido de carbono e outras emissões humanas na atmosfera do planeta.

A maioria dos aquecimentos ocorreu nas últimas três décadas e pode afetar por padrões climáticos, ou seja, a tendência em longo prazo é a ocorrencia de mudança climáticas provocadas principalmente por emissões humanas de gases do efeito estufa, “Gavin Schmidt GISS Director”

O aumento da temperatura e o aquecimento do planeta ano após ano também é causada pole fenômenos como o El Niño ou La Niña, mas ao longo de 15 anos o recorde de calor de 2014 ocorreram durante um ano de El Niño-neutro.

O NOAA fornece informações oportunas e confiávés com bases científicas sobre o nosso mundo e as mudanças. Richard Spinrad, cientísta chefe do NOAA, afirma que monitoramento das mudanças em nosso clima esta cresendo e é provocado pela demanda por inteligência ambiental. O NOAA prevê apenas o aumento da temperatura e é fundamental a parceria com a NASA para observar essas mudanças e fornecer as informações comunidades.

As diferenças regionais de temperatura são mais fortemente afetados pela dinâmica de tempo do que a média global. Por exemplo, em os EUA em 2014, partes do Centro-Oeste e East Coast foram excepcionalmente fresco, enquanto o Alasca e três estados do oeste - Califórnia, Arizona e Nevada - experimentou seu ano mais quente já registrado, de acordo com a NOAA.


A análise GISS incorpora medidas de temperatura de superfície de 6.300 estações meteorológicas, observações naval, bóia de temperaturas da superfície do mar e as medidas de temperatura de estações de pesquisa da Antártida. Este dados brutos são analisados usando um algoritmo que leva em conta o espaçamento variado de estações de temperatura em todo o mundo e os efeitos de aquecimento urbano que poderiam distorcer o cálculo. O resultado é uma estimativa da diferença de temperatura média global a partir de um período de referência de 1951-1980.

GISS é um laboratório NASA geridas pela Divisão de Ciências da Terra do Goddard Space Flight Center da agência, em Greenbelt, Maryland. O laboratório é afiliado com o Instituto Terra da Universidade de Columbia e da Escola de Engenharia e Ciências Aplicadas, em Nova York.

NASA monitora os sinais vitais da Terra a partir de terra, ar e espaço com uma frota de satélites, bem como campanhas de observação no ar e no solo. NASA desenvolve novas formas de observar e estudar os sistemas naturais da Terra interligados com registros de dados de longo prazo e ferramentas de análise de computador para ver melhor como o nosso planeta está mudando. As ações da agência Este conhecimento exclusivo com a comunidade global e trabalha com instituições nos Estados Unidos e ao redor do mundo que contribuem para a compreensão e proteger o nosso planeta.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Representações Cartográficas

Globo - representação esférica, em escala pequena, dos apectos naturais e artificiais de uma figura planetária, com finalidade ilustrativa.

Mapa - representação plana, em escala pequena, delimitada por acidentes naturais ou políticos-administrativos, destinada a fins temáticos e culturais.

Cartas - representação plana, em escala média ou grande, com desdobramento em folhas articuladas sistematicamente, com limites de folhas constituídos por linhas convencionais, destinada a avaliação de distância e posições detalahadas.

Planta - tipo particular de carta, com área muito limitada e escala grande, com número de detalhes consequentemente maior.

Mosaiso - conjunto de fotos de determinada área, montadas técnica e artisticamente, como se o todo formasse uma só fotografia. Classifica-se como controlado, obtido apartir de fotografia aéreas submetidas a processos em que a imagem resultante corresponde à imagem tonada na foto, não controlado, preparado com o ajuste de detalhes de fotografia adjacentes, sem controle de termo ou correção de fotografia, sem preocupação com a precisão, ou ainda semicontrolado, montado combinando-se as duas características descritas.

Fotocarta - Mosaico controlado, com tratamento cartográfico.

Ortofotocarta - fotografia resultante da transformação de uma foto original, que é um perspectiva central do terreno, em uma projeção ortogonal sobre um plano.

Ortofotomapa - conjunto de várias ortofotocartas adjacentes de uma determinada região.

Fotoíndice - montagem por superposição das fotografias, geralmente em escala reduzida. É a primeira imagem cartográfica da região. É o insumo necessário para controle de qualidade de aerolevantamentos utilizados na produção de cartas de métedo fotogramétrico.

Carta Imagem - imagem referênciada a apartir de pontos identificáveis com coordenadas conhecidas, superposta por reticulado da projeção

Revista Geografia, Conhecimento Prático, n 23, p 54. ed. Escala