11 de outubro de 2012

Orientações sobre Hidrantes Urbanos – dicas do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal



Para que servem os Hidrantes Urbanos?

Os incêndios são, em sua grande maioria, combatidos com o emprego de água como agente extintor. Especialmente pelo fato da água ser abundante e barata na natureza, o que torna economicamente viável para a maioria dos incêndios; além da facilidade de armazenagem, facilidade de transporte, multiplicidade de aplicação do jato, forma líquida etc.

Por isso há uma preocupação do Estado e do município com o suprimento de água, em especial para guarnições de combate a incêndio que necessitam desse agente extintor, proveniente de uma fonte disponível, no local do incêndio. Por isso os hidrantes urbanos de incêndio necessitam estar em plena condição de serem utilizados pelos bombeiros em caso de combate a incêndio.

Os hidrantes urbanos são instalados para uso exclusivo no combate a incêndio ou outras operações, por exemplo, limpeza de logradouros públicos após inundações onde haja acúmulo de lama e obstruções. Na realidade estes aparelhos de hidrantes são como uma fonte avançada de água que garante ao bombeiro, bem como à população, a segurança de poder contar com viaturas sempre abastecidas para o caso de um grande incêndio.

O CBMDF disponibiliza para toda a comunidade o cadastro de hidrantes urbanos do Distrito Federal. Para baixar o cadastro de todos os hidrantes do Distrito Federal é só clicar na figura do Zé Hidrante na página principal do sítio do CBMDF ou ainda por este link : https://www.cbm.df.gov.br/

Para informação de todos, está sendo feito um trabalho de geoprocessamento para mapeamento dos hidrantes, ou seja, a localização através de GPS, que ainda não está em fase de planejamento e estudo.

A NBR 5667/80 descreve que em geral os hidrantes são fabricados para uma pressão máxima de serviço 10 kgf/cm². O diâmetro interno da entrada de água, dotado de um flange, é de 75 ou 100 mm. Para serem utilizados pelo Corpo de Bombeiros os equipamento devem possuir “bocas de saídas” com as rosca são 60 mm (diâmetro externo 82 mm e 5 fios) e rosca de 100 mm (diâmetro externo 127 mm e 4 fios). Ainda segundo NBR 5667/80, os hidrantes devem ser pintados na cor vermelha e instalados no passeio público pela agência concessionária de água no município para serem utilizado como suprimento de água em combate em incêndios.

Hidrantes de Belém


Belém conta hoje com 83 hidrantes, sendo que destes 79 do tipo hidrante coluna, 3 tipo coluna de hidrante e 1 hidrante subterrâneo.

Com as informações sobre a situação atual dos hidrantes foi elaborado um planilha de dados que posteriormente foi geocodificados para gerar uma tabela de atributo com informações georreferenciados, ou seja, o processo resultou em um arquivo shapefile de feições pontuais com as informações sobre localização dos hidrantes que consiste basicamente em um plano de informação com a localização estimada de todos os hidrantes de Belém (figura 1).

Figura 1: Base hidrantes de Belém geocodificado e exportado para shapefile.
Fonte: Elaboração SANTOS, L.S., (2012).

1 – Conceito de Hidrante Urbano;
O hidrante urbano de incêndio é definido como um aparelho de ferro fundido, instalado na rede pública de água pela concessionária de água da cidade ou região administrativa, com o objetivo de abastecer as viaturas do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal para o combate a incêndios e outras operações. A NBR 5667 define como “aparelhos ligados aos encanamentos de abastecimento d’água que permitem a adaptação de bombas e/ou mangueiras para o serviço de extinção de incêndios”.

2 – Quem são as pessoas e órgãos autorizados a usar Hidrantes Urbanos?
Conforme previsto no Decreto N° 5.555, de 31 de outubro de 1980, especificamente no art. 28, os hidrantes são de uso privativo da CAESB e do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal. Os infratores estão sujeitos às penalidades legais, sem prejuízo da apuração do volume de água desperdiçado, bem como de outras despesas decorrentes de danos ao hidrante e/ou à rede de abastecimento de água.

Resumindo somente é autorizada a utilização do hidrante urbano de incêndio ao militares do CBMDF e servidores da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal – CAESB.

3 – Atribuições dos órgãos públicos quanto a hidrantes urbanos
Cabe a CAESB: instalar, remover, substituir, remanejar e realizar toda a manutenção necessária para manter o hidrante urbano em plena condição de uso para abastecimento das viaturas do CBMDF.

Cabe ao CBMDF, por meio do da Seção de Hidrante Urbano – SEHUR, como órgão de execução do DESEG: executar atividades operacionais de cadastramento, atualização e inspeção em todos os Hidrantes do Distrito Federal, enviar mensalmente a CAESB relatório constando todas as alterações para manutenções e consertos necessários aos hidrantes urbanos da região administrativa inspecionada e emitir Parecer Técnico para instalação, remanejamento e remoção de hidrantes em todo o Distrito Federal.

4 – Qual a legislação em vigor quanto a Hidrantes Urbanos?
Decreto n° 5.555 (de 31 de outubro de 1980), NBR 5667-1 e NBR 12218.

5 – Como proceder para solicitar conserto/reparo de Hidrante Urbano?
Em caso de hidrante danificado ou sem condições de uso, qualquer cidadão poderá entrar em contato com a Seção de Hidrante (3901-3450) ou CAESB (115), informando o dano e/ou necessidade de reparo no hidrante urbano, bem como denunciar má utilização do equipamento (por exemplo: lavagem de carro por parte de flanelinha), para que sejam tomadas as devidas providências.

6 – Como denunciar má utilização do HU (por exemplo: lavagem de carro por parte de flanelinhas);
O CBMDF lembra que roubo de água de hidrante urbano é crime. Para denunciar tal situação, pode-se ligar gratuitamente para o 190 (Polícia Militar) para denunciar o caso. Posteriormente pede-se para ligar para 115 (CAESB) e também informar a SEHUR pelo número 3901-3450, que sempre está em constante contato com o Centro de Inteligência do CBMDF para investigação e fragrante do delito, se for o caso. Pode-se ainda acionar o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal pelo 193 (a qualquer dia ou horário).

7 – Como solicitar a instalação e/ou remanejamento de Hidrante Urbano;
Em caso de remanejamento, o interessado deverá protocolar solicitação por escrito junto a DESEG, e este por sua vez despachará a referida solicitação a Seção de Hidrante, que por sua vez ficará responsável em inspecionar e emitir um Parecer Técnico sobre a viabilidade ou não de se remanejar o aparelho, indicando o local ideal para o remanejamento e por fim informar ao interessado que todo custo é por conta do solicitante.

Referências:
Do cafezinho. Disponível em: http://docafezinho.com.br/?p=16642

Um comentário:

  1. Parabéns pelo seu trabalho e principalmente pelas suas postagens. Definitivamente, o Geoprocessamento e o Sensoriamento Remoto são áreas do conhecimento que podem contribuir enormemente para o planejamento em qualquer escala, do local ao global.

    Será que você tem como disponibilizar para mim, o Shapefile (.shp) de Belém em bairros? Estou tendo muita dificuldade em encontrar e me dei o trabalho até de vetorizar bairro por bairro (kkk). Obrigado pela compreensão.
    Meu email henrique.ufpa@hotmail.com

    ResponderExcluir

Representações Cartográficas

Globo - representação esférica, em escala pequena, dos apectos naturais e artificiais de uma figura planetária, com finalidade ilustrativa.

Mapa - representação plana, em escala pequena, delimitada por acidentes naturais ou políticos-administrativos, destinada a fins temáticos e culturais.

Cartas - representação plana, em escala média ou grande, com desdobramento em folhas articuladas sistematicamente, com limites de folhas constituídos por linhas convencionais, destinada a avaliação de distância e posições detalahadas.

Planta - tipo particular de carta, com área muito limitada e escala grande, com número de detalhes consequentemente maior.

Mosaiso - conjunto de fotos de determinada área, montadas técnica e artisticamente, como se o todo formasse uma só fotografia. Classifica-se como controlado, obtido apartir de fotografia aéreas submetidas a processos em que a imagem resultante corresponde à imagem tonada na foto, não controlado, preparado com o ajuste de detalhes de fotografia adjacentes, sem controle de termo ou correção de fotografia, sem preocupação com a precisão, ou ainda semicontrolado, montado combinando-se as duas características descritas.

Fotocarta - Mosaico controlado, com tratamento cartográfico.

Ortofotocarta - fotografia resultante da transformação de uma foto original, que é um perspectiva central do terreno, em uma projeção ortogonal sobre um plano.

Ortofotomapa - conjunto de várias ortofotocartas adjacentes de uma determinada região.

Fotoíndice - montagem por superposição das fotografias, geralmente em escala reduzida. É a primeira imagem cartográfica da região. É o insumo necessário para controle de qualidade de aerolevantamentos utilizados na produção de cartas de métedo fotogramétrico.

Carta Imagem - imagem referênciada a apartir de pontos identificáveis com coordenadas conhecidas, superposta por reticulado da projeção

Revista Geografia, Conhecimento Prático, n 23, p 54. ed. Escala